Entrevistas - Da Redação

Copeiro, bancário e empresário: essa é a trajetória de Wilson de Lima Vieira, diretor geral da Radiex

“Me deparei com a situação na qual não enxergava mais como crescer ali dentro, portanto resolvi me tornar vendedor, para que eu pudesse construir meu próprio salário”

Wilson de Lima Vieira, diretor geral da Radiex, começou a trabalhar muito cedo e, depois de ser copeiro em uma padaria, começou a carreira como bancário no Unibanco, onde permaneceu por dez anos. No banco ele ganhou experiência e cresceu profissionalmente: “passei por praticamente todos os setores, chegando ao cargo de auditor”, comenta.

Foi nesse momento, percebendo que não havia mais como alcançar posições maiores na empresa, que Wilson Vieira começou a construir o seu legado: “me deparei com a situação na qual não enxergava mais como crescer ali dentro, portanto resolvi me tornar vendedor, para que eu pudesse construir meu próprio salário.”

De acordo com Wilson, a Radiex surgiu de uma ideia conjunta com o irmão: “ele trabalhava na área, mas também como empregado, e a partir disso enxergamos a oportunidade de investirmos no produto de arrefecimento. Construímos a marca com a participação de três sócios-irmãos, na qual cada um tinha seu papel: um cuidava da administração, outro era responsável pela produção e um do financeiro. “Expandimos os negócios com revendedores, distribuidores e a cada dia buscamos crescer mais, abrindo novos segmentos e novas parcerias. Chegamos a abrir franquias, em meados de 2010 a 2012, e foram muitos aprendizados”, comenta Wilson. Confira a entrevista exclusiva:

Jornal Oficina Brasil: A Radiex está comemorando 30 anos e, desde sua fundação, passou por crises econômicas e planos mirabolantes para salvar a economia. Qual o segredo de chegar a 30 anos de forma pujante e ativa no mercado?

Wilson de Lima Vieira:  Com espírito empreendedor, onde não tenho medo de arriscar e apostar em novas ideias. Inovação constante em produtos e serviços, não deixando o básico de lado, ou seja, bom suporte técnico, parcerias consolidadas, apoio de brandings e busca constante de novos mercados e segmentos.

JOB: Quais os valores fundamentais do fundador que fazem parte do DNA da Radiex?

WLV: Carregamos na Visão da empresa o Salmo 111:10 - “O temor do Senhor é o princípio da sabedoria; bom entendimento têm todos os que cumprem os seus mandamentos; o seu louvor permanece para sempre.” – respeito ao consumidor, entregando produtos que cumpram sua função e que ele possa perceber valor em todo conjunto da marca.

JOB: Como fundador você carrega fortemente a marca Radiex e ao mesmo tempo precisa equilibrar este legado com os desafios de gestão cotidianos. Qual fórmula você encontrou para balancear estas duas forças?

Delegando e contando com ajuda de parceiros e colaboradores.

JOB: Hoje, quantas fábricas existem e quais os produtos que são comercializados?

WLV: Uma fábrica própria e 272 produtos em embalagens variadas.

JOB: Para aplicações automotivas a Radiex está presente nas montadoras?

WLV: Sim, inclusive com marca própria e homologações de grandes montadoras.

JOB: Nos últimos anos, quais investimentos foram feitos pela empresa?

WLV: Reestilização da linha de produtos, entre embalagens e rótulos, certificação de ISO 9000, novas instalações da área administrativa e comercial, novas homologações em montadoras, certificação ABNT, entre outros. E vem novidade para o ano de 30 anos da Radiex.

JOB: A Radiex sempre esteve ligada ao sistema de arrefecimento e a aplicações automotivas, mas navegando no site é possível perceber uma ampla gama de produtos que inclui uma linha de químicos de aplicação industrial, a partir de quando vocês decidiram pela diversificação?

WLV: Sempre aproveitamos as oportunidades, onde há pouco mais de 20 anos começamos a diversificação da linha de produtos, nos transformamos em uma indústria de transformação, onde temos laboratório próprio, o que nos possibilita a análise e teste de diversos produtos químicos.

JOB: Com as mudanças tecnológicas nos motores atuais que apresentam maior taxa de compressão e altas temperaturas, o sistema de arrefecimento passou a ter um papel ainda mais importante. Como vocês estão acompanhando essas inovações?

WLV: Participamos ativamente de reuniões na ABNT, investimos em projetos próprios, reuniões em universidades, reuniões em centro de pesquisa e desenvolvimento e nos atualizamos sempre para acompanhar as mudanças cotidianas.

JOB: Toda mudança tecnológica pressupõe mudanças na forma como as pessoas vão utilizar esta inovação, quais os esforços da Radiex em direção à formação de pessoas?

WLV: Treinamento e palestras constantemente, seja online, ou presencial, junto a clientes, parceiros, fornecedores e colaboradores.

JOB: O mercado de reposição independente no Brasil é composto de vários players como distribuidores, lojas de peças e oficinas mecânicas. Como a Radiex enxerga o papel de cada um destes agentes e quais as atividades que desenvolve em cada elo da cadeia?

WLV: Enxergamos que eles têm um papel de grande importância junto a nossa operação, pois atuamos a nível Brasil junto a distribuidores e grandes redes, onde levamos todo know-how da Radiex para suas equipes, para que as vendas fluam naturalmente.

JOB: O mercado de reposição está vivendo um de seus melhores ciclos e estudos recentes (como o publicado na edição de novembro de 2016 do Jornal Oficina Brasil) apontam que mesmo com a recuperação da venda de veículos novos, o aftermarket continuará crescente e demandante. Como a Radiex enxerga este cenário e quais ações estão sendo tomadas para desfrutar deste momento?

WLV: Nascemos dentro do mercado de reposição, são 30 anos trabalhando com ferramentas e equipamentos adequados para que o convencimento do cliente seja completo e verdadeiro, com comprovação via laudos laboratoriais e acompanhamento de profissionais treinados. Enxergamos que estamos num momento de plena ascensão, onde buscamos constantemente investir em treinamentos e materiais para capacitar, principalmente, colaboradores e parceiros, sobre a importância da manutenção preventiva e corretiva.

JOB: Nos últimos 20 anos assistimos a uma proliferação de marcas e modelos de veículos que circulam pelas ruas e estradas do Brasil e isso, somado às questões logísticas de um país continental, ocasiona que os agentes comerciais precisem tomar decisões sobre quais linhas de produtos vão comercializar e quais terão de abdicar. Como a Radiex tem se posicionado para garantir que o reparador independente encontre todos os produtos na hora certa e no local certo?

WLV: Buscamos atingir o maior número possível de profissionais e clientes da área, via distribuidores, atacados, grandes redes e e-commerce, ou diretamente de fábrica, com suporte online e via telefone.

JOB: Algum outro ponto que não mencionamos e que você gostaria de falar?

WLV: O grande segredo do sucesso é determinação, acreditar sempre, ser verdadeiro com seu público, apresentando transparência nas ações de tal forma que o mercado perceba valor e conteúdo nos seus produtos e serviços entregues. Busco atualmente atravessar fronteiras, levando a Radiex para novos mercados, inclusive o internacional, esses 30 anos são dignos de comemoração e reflexão, num país onde não é tão fácil empreender, precisamos ser os primeiros a acreditar em nosso potencial e no sucesso. 

comentários
Avaliar:

Comentários