Oficina Brasil


Cofap alerta para os perigos dos amortecedores recondicionados

Amortecedores são os principais componentes do sistema de suspensão de um veículo. São eles que garantem que os pneus estejam sempre em contato com o solo, independente de obstáculos e depressões, mantendo as condições ideais para a dirigibilidade!

Compartilhe
Por Da Redação


Avaliação da Matéria

Faça a sua avaliação

Sem esse componente, as rodas passam a oscilar verticalmente, sem controle, devido à ação das molas da suspensão, tornando a condução do veículo perigosa e suscetível a acidentes. Vale lembrar que a função das molas é sustentar o peso do veículo e permitir a oscilação vertical da suspensão, que é controlada pelo amortecedor.

A Cofap esclarece que amortecedores recondicionados, como o próprio nome diz, são peças reformadas. São aqueles que foram descartados devido a avarias ou desgaste natural da peça e que recebem pintura nova ou, no máximo, tem o óleo original substituído por um fluido fora dos parâmetros exigidos. Amortecedores são componentes fechados, que não permitem a substituição de peças internas. Por isso, evidentemente, aqueles oferecidos como supostamente recondicionados são mais baratos do que um amortecedor novo, atraindo o consumidor desavisado. Tendo em vista essas características, o uso do amortecedor recondicionado não é recomendado, pois coloca a segurança em risco.

A marca explica que a segurança de um veículo e seus ocupantes está diretamente ligada aos componentes que fazem parte dos diversos sistemas que o compõem, principalmente aqueles do sistema de suspensão, responsável pela dirigibilidade e conforto de automóveis, vans, caminhões e ônibus. Recondicionados, os amortecedores jamais apresentarão a mesma eficiência do produto novo, comprometendo a estabilidade e a dirigibilidade do veículo. O óleo utilizado no interior dos amortecedores de suspensão é desenvolvido especificamente para esse tipo de aplicação, segundo formulações especiais, adequadas às temperaturas e características de trabalho exclusivas. Além do óleo, dependendo do amortecedor, pode haver mais de 50 componentes internos que também sofrem desgastes e que não podem ser substituídos no “recondicionamento”. Esses componentes não são encontrados no mercado e, dessa maneira, não há como o recondicionador substituí-los. Essa condição certamente não garante a eficiência requerida para um amortecedor de suspensão automotiva.

A Cofap reforça que, caso haja necessidade de troca, é recomendado que sejam utilizados componentes novos, com qualidade reconhecida pelo mercado.

Para mais informações sobre os produtos Cofap, acesse: www.mmcofap.com.br.

Comentários