Oficina Brasil


Motorservice apresenta dica de instalação das válvulas de admissão e escape

A fabricante determina uma folga maior entre a válvula de escape e a guia de válvula, evitando, assim, o travamento prematuro!

Compartilhe
Por Da Redação


Avaliação da Matéria

Faça a sua avaliação

Quem atua com recondicionamento de motores de veículos conhece muito bem as válvulas, peças fundamentais para ter o controle das cargas do motor. Há a válvula de admissão, de escape e a guia de válvula.

A Motorservice, divisão do Grupo Rheinmetall que comercializa as marcas de componentes motor Kolbenschmidt (KS), Pierburg e a BF, recomenda atenção e a verificação da folga entre a haste da válvula e a guia. A válvula de admissão possui o diâmetro da cabeça maior para que o motor admita o ar com oxigênio. Já a válvula de escape, se abre para deixar os gases de escape provenientes da queima de ar mais combustível saírem.

Há uma diferença referente às folgas de montagem entre as válvulas de admissão e escape e as guias de válvulas. Mas, para medir corretamente as folgas, há a necessidade da utilização de um micrômetro e súbito. Tira-se a medida da haste da válvula com o micrômetro. A folga de montagem da válvula de escape é maior, pois trabalha num local muito quente, há maior dilatação. Por isso, o fabricante determina uma folga maior entre a válvula de escape e a guia de válvula, evitando, assim, o travamento prematuro.

Com a espessura da haste já no micrômetro, basta colocar o súbito e encontrar o zero no relógio comparador. O ponteiro não passa do zero porque a regulagem foi trazida até o limite do ponteiro. Quando tirar a medida interna da guia de válvula, dá para verificar a diferença, ou seja, mais apertado ou mais folgado porque o ponteiro vai passar do zero ou não vai chegar no zero.

A válvula que trava na guia, às vezes, pode até não engripar, mas pode desgastar a guia internamente e trabalhar balançando, o que seria péssimo para a queima do combustível. Pode também parar de girar, sofrendo desgaste prematuro, queima de sede, da pista de contato. A Motorservice ressalta que a válvula de escape trabalha com uma folga maior.

Confira valores padrão para a folga entre a guia da válvula e a haste da válvula:

  • No entanto, é recomendável procurar no manual do fabricante do motor a folga específica. Não deve trabalhar apertado, pois as peças dilatam e a lubrificação não passa entre a guia e a haste. O retentor de guia de válvula atua como dosador da lubrificação da haste da guia, até acumular um pouco de óleo no final da haste.
  • Nos motores de injeção indireta, como passar a mistura ar e combustível, acaba removendo ou amolecendo a sujeira. Nos motores de injeção direta, o combustível é injetado dentro do cilindro e a borra fica e, às vezes, trava a haste na guia com a válvula aberta e o pistão acaba colidindo contra a válvula, entortando-a.
  • Dica para a mola de retorno de válvula - A válvula é aberta pelo comando de válvulas, mas quem a fecha é a mola de retorno. Basta colocá-la ao lado de um gabarito de 90 graus, um esquadro, ela deve ficar alinhada, se ficar torta, poderá entortar o trabalho da válvula, esforçando a haste contra a guia, resultando em desgaste prematuro.

É preciso cuidado também com o ângulo da válvula, pois já vem usinada no ângulo certo. Qualquer correção ficará por conta da sede.

Esta e outras dicas podem ser conferidas no YouTube da Motorservice.

Comentários